Home » Notícias » Fetaesp faz parte de Comitê Técnico do Crédito Fundiário
Representantes do Comitê debatem mudanças para o PNCF (Foto: Daniel Giamapulo/Fetaesp)

Fetaesp faz parte de Comitê Técnico do Crédito Fundiário

Representantes se reúnem para debater propostas

No último dia 25 de julho, na sede da DFDA (Delegacia Federal de Desenvolvimento Agrário), em São Paulo, reuniram-se representantes da instituição, com membros da Fetaesp (Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do Estado de São Paulo), do Itesp (Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo), da SRA (Secretaria do Reordenamento Agrário), da Sead (Secretaria Especial da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agráro), do Amvapa (Consórcio Intermunicipal do Alto Vale do Paranapanema), do BB (Banco do Brasil) e da FAF (Federação da Agricultura Familiar do Estado de São Paulo). Os presentes fazem parte do Comitê Técnico do Crédito Fundiário.

O intuito da reunião foi debater a indicação do coordenador e dos relatórios do Comitê; analisar as propostas do Crédito Fundiário e discutir as novas regras, que entrarão em vigor em breve, do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF). O Comitê tem como finalidade a análise dos processos e propostas dos agricultores no Programa.

Como membro representante, o engenheiro agrônomo da Fetaesp, Daniel Giampaulo, destacou que a atuação do Comitê é de extrema importância para que as propostas sejam analisadas e que o Programa flua com mais rapidez. Salientou ainda que “estão sendo debatidas alterações a serem divulgadas em breve, ainda em 2017, sobre o Programa”.

Crédito Fundiário

O PNCF oferece condições para que os trabalhadores rurais que não possuem terra, ou tem pouca terra, possam comprar um imóvel rural por meio de um financiamento. O recurso ainda é usado na estruturação da infraestrutura necessária para a produção e assistência técnica e extensão rural. Além da terra, o agricultor pode construir sua casa, preparar o solo, comprar implementos, ter acompanhamento técnico e o que mais for necessário para se desenvolver de forma independente e autônoma. O financiamento pode tanto ser individual quanto coletivo.

Escrever uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*